Atores da Globo fazem ação contra Plano Diretor de São Roque

30/08/23 às 13:25
por: Igor Juan

Não se fala em outra coisa na turística cidade do vinho, no interior de São Paulo, a não ser sobre questões do novo Plano Diretor de São Roque. O atual Prefeito de São Roque, Guto Issa, tem trabalhado em diversas ações que destaca a importância e benefícios do novo plano diretor. Em contrapartida, a situação tem gerado opiniões diversas sobre a mudança.

Em suma, alteração do novo plano diretor, prevê o desmatamento de um área de Mata Atlântica na cidade para a construção de loteamentos. A situação é observada de perto por jornalistas e moradores da cidade, bem como ativistas ligados a preservação e cuidados ambientais.

Entretanto, nesta semana, os moradores da cidade, e um dos defensores contra a alteração do Plano Diretor de São Roque, o vereador Cabo Jean, ganharam apoio de atores famosos da Globo. Trata-se dos atores Mateus Solano e Denise Fraga.

Os atores consagrados na TV brasileiros em seus inúmeros trabalhos em filmes, e novelas, usaram as redes sociais para pedir apoio contra aprovação do plano diretor e desmatamento de áreas de mata na cidade.  Os moradores mais preocupados com a alteração, são os de bairros rurais, localidades que devem ser transformadas a possível aprovação do novo Plano Diretor de São Roque, em regime de urgência.

Danos ambientais

Os moradores alegam que, se a proposta for aprovada, “37% da área rural de São Roque, uma área de 49 km², equivalente a 4.900 campos de futebol, será alterada para área urbana, permitindo lotes de 360 m²” e provocaria dano ambiental.

Atores famosos são contra o novo plano diretor de São Roque

Denise Fraga, conhecida por quadros no Fantástico da TV Globo, bem como novelas, mora na cidade de Cotia, Grande São Paulo, que faz fácil acesso à terra do vinho.

Ela usou o Instagram para pedir que demais pessoas contribuam em defesa de áreas de mata da cidade, colaborando com um abaixo-assinado.

“Soube que está sendo votado um novo plano diretor na Câmara Municipal de São Roque, em caráter de urgência, que vai permitir que o que resta de Mata Atlântica em São Roque vá por água abaixo por especulação imobiliária”, disse Denise Fraga.

O escritor Pedro Bandeira, que mora em São Roque, também, aderiu à situação. Em um vídeo que circula na internet ele diz que:

“A cidade não pode ser destruída pela necessidade de alguém ganhar muito dinheiro vendendo pequenos lotes, que são totalmente inúteis para o desenvolvimento do município” e pediu para a população assinar a petição.

O que a Prefeitura diz

Segundo a Prefeitura, esta mudança no Plano Diretor é necessária para modernizar a cidade de São Roque, que vem crescendo a cada dia e que precisa evoluir.

Brevemente a Prefeitura de São Roque disse que “respeita todas as opiniões populares” a respeito do tema.

A prefeitura ainda alega que o projeto que prevê uma redução da área rural da cidade “apenas ‘oficializa’ a atual realidade do município, atuando em regiões de loteamentos já consolidados, sítios de recreio e áreas que, na prática, já não possuem características rurais”.

Nota oficial da Prefeitura de São Roque

“A Prefeitura de São Roque esclarece que respeita todas as opiniões populares. Entretanto, é importante informar que as notícias e depoimentos que ligam a Revisão do Plano Diretor Municipal a ações de desmatamento, não correspondem à realidade.

O Projeto de Revisão do Plano Diretor Municipal não apoia e nem permite ações de desmatamento na cidade, já que ele está em concordância com todas as leis ambientais vigentes, bem como com o Plano Diretor Ambiental e o Plano de Manejo da Área de Preservação Ambiental de Itupararanga.

O projeto, que hoje está sendo analisado pela Câmara Municipal, prevê uma redução da área rural da cidade, entretanto, esta medida (que amplia as zonas urbanizadas e de interesse turístico) apenas “oficializa” a atual realidade do município, atuando em regiões de loteamentos já consolidados, sítios de recreio e áreas que, na prática, já não possuem características rurais.

A administração municipal, vê com naturalidade o trâmite do projeto na Câmara Municipal, que é a última etapa de um amplo projeto de elaboração do Plano Diretor, realizado por uma equipe multidisciplinar, contendo arquitetos e urbanistas, advogados, engenheiros, além de contar com assessoria de uma empresa contratada. Um projeto que desde fevereiro deste ano passou por cinco audiências públicas, sendo três organizadas pela prefeitura e duas pela câmara municipal, além das centenas de contribuições enviadas pela população.

Um projeto feito com transparência e ampla participação popular, juntamente com as consultas feitas ao Órgão Gestor da APA de Itupararanga, que não é realizado há 17 anos, (considerando que a Lei Complementar nº 39/2006 exige a revisão do Plano Diretor no período de 4 anos). A adequação do Plano Diretor levará o município ao desenvolvimento sustentável, proporcionando benefícios e diretos à população, como o acesso futuro às moradias populares e usos sustentáveis”.