MP apura cobrança ilegal de asfalto em Campinas

O Ministério Público de São Paulo abriu um inquérito, na manhã desta segunda-feira (11), para investigar uma cobrança irregular de asfaltamento de um bairro da cidade de Campinas, interior de São Paulo, que ocorreu em 2021.

Segundo o MP-SP, há três suspeitos envolvidos no esquema, sendo o vereador Edison Ribeiro (União Brasil), seu filho André Ribeiro, e o servidor Antônio Valdete Ferreira.

Além disso, o Ministério Público também denunciou os suspeitos por tentarem pagar propina para os promotores de Campinas, para que não investigassem o caso, que somente veio a tona na semana passada.

Sobretudo, uma pessoa anônima denunciou o caso para o MP, onde flagrou o vereador Edison cobrando valores dos moradores do bairro Campo Grande, para realizar a obra.

Enquanto a Prefeitura pagava cerca de R$ 100 mil na compra de materiais e profissionais responsáveis pelo asfaltamento, os moradores do bairro arcariam com outros valores da construção, conforme apurado pelo MP.

Todo o dinheiro iria para conta de uma empresa investigada pela própria Prefeitura, por construção de moradias irregulares em área de mata nativa, além de ir para a conta de Edilson e seu filho.

Em sua defesa, tanto Edilson quanto André negam participação no esquema, e o MP deve ouvir mais testemunhas ao longo da semana.

Entenda o Caso

No ano passado, o promotor Ângelo Santos de Carvalhaes, recebeu a denúncia sobre o caso, e desde então passou a investigar os suspeitos pelo crime.

Segundo o MP, os suspeitos responderão por enriquecimento ilícito, além de virarem alvo de processo de perda de mandato, no caso de Edison, além de perda de direitos políticos.

No entanto, Edison disse que os próprios moradores se dispuseram a doar e até mesmo comprar a massa asfáltica para a obra.

Segundo o vereador, a Prefeitura recebeu cerca de R$ 216 mil reais somente com as doações, valor que não foi comprovado pelas investigações do MP.

Aliás, em nota para a promotoria, a própria Prefeitura de Campinas confirmou versão do vereador, e todo o dinheiro para o asfaltamento veio com ajuda dos próprios moradores do bairro.

Filho de Edison ameaçou empreiteira para entregar o dinheiro para ele

Já André Ribeiro, político e filho de Edison, é acusado, além de corrupção, de ameaçar a empreiteira que realizou o asfaltamento para entregar o dinheiro dos moradores para ele.

Conforme a Mabre Empreendimentos, que realizou o asfaltamento, André ameaçou expulsar da própria casa o sócio da empresa, se ele não pagasse a ele cerca de R$ 30 mil reais, em parcelas.

Aos promotores, o sócio da Mabre revelou que não realizou o depósito que todo o dinheiro que André recebeu era de fato dos moradores do bairro.