PUBLICIDADE

Unidades de saúde de Araçariguama estão sem vacinas do BCG

Igor Juan

29 de agosto de 2019
Atualização:29 ago 2019 às 11:33

O Ministério da Saúde – MS, junto a Secretaria de Vigilância e do Departamento de Imunizações e Doenças Transmissíveis – DEIDT, encaminhou as secretarias de saúde regionais dos estados e assim sequencialmente aos municípios, uma nota informando a situação atual de distribuição de vacinas imunobiológicos.

A vacina BCG – Bacilo Calmette-Guérin, está  está sendo enviada  e distribuída parcialmente as unidades de saúde. Segundo o Ministério da Saúde, os lotes da vacina que são produzidas no laboratório da Fundação Ataulpho de Paiva – FAP,  aguardam liberação do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde – INCQS e devido a isso estão em falta em alguns postos de saúde, como da cidade de Araçariguama.

A Secretaria de Saúde Municipal de Araçariguama informou ao Correio do Interior que algumas vacinas estão realmente em falta nas unidades de saúdes do município, dentre elas a BCG, Pentavalente e DTP, sem data prevista para o reabastecimento, ressaltando que a compra das vacinas não é de responsabilidade do município, e sim do Ministério da Saúde (Governo Federal).

BCG – Bacilo Calmette-Guérin

A vacina previne a tuberculose, uma doença infectocontagiosa causada pelo Mycobacterium bovis ou pelo Bacilo de Koch. Ela ataca mais comumente os pulmões, mas pode também causar infecções nos ossos, rins e meninges (as membranas que envolvem o cérebro).

A transmissão da tuberculose é direta, de pessoa a pessoa, portanto, aglomerações são o principal fator de transmissão. O doente expele, pequenas gotas de saliva ao falar, espirrar ou tossir. Elas contêm o agente infeccioso e podem ser aspiradas por outro indivíduo. Qualquer fator que gere baixa resistência orgânica, também favorece o estabelecimento da tuberculose.

A doença causa tosse seca, emagrecimento, fraqueza e falta de apetite, e pode levar a eliminação de sangue pela tosse em casos mais graves. O tratamento é demorado, levando cerca de 6 meses.

O Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde recomenda atualmente a vacinação universal das crianças contra tuberculose. É importante que seja dada logo ao recém-nascido. Se isso não for possível, deve ser ministrada após o primeiro mês de vida.

Igor Juan

Jornalista editor-chefe do Correio do Interior. Formando pela faculdade ESACM Sorocaba. Atuou na RedeTV!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *