Régis fala após um mês de tratamento contra dependência química
PUBLICIDADE

Régis fala após um mês de tratamento contra dependência química

Gabriel Kazuo

3 de abril de 2019
Atualização:03 abr 2019 às 15:38

Régis, lateral do São Bento, e que teve passagens por CS e São Paulo, está há um mês fazendo tratamento médico contra dependência química. O jogador decidiu buscar tratamento numa casa de reabilitação de Sorocaba, após três prisões e ser dispensado dos três clubes por problemas extracampo, envolvendo uso excessivo de álcool e cocaína.

Segundo entrevista para o Globoesporte.com, o jogador revelou que começou usar cocaína quando tinha 25 anos e atuava pelo Red Bull Brasil, ainda em formação. O vício por álcool começou antes, quando Régis ainda estava na base do time de Campinas. Esses problemas não chegaram a atrapalhar a carreira do jogador, no começo, onde jogou no São Bento, Luverdense, Guarani e Bahia.

Mesmo com os vícios, Régis mantinha um alto rendimento técnico e tático. O auge da carreira foi no ano passado, quando vestiu a camisa do São Paulo. Foi justamente no melhor momento de sua vida, que a careira de Régis começou a desandar. O jogador afirmou que já percebia que o uso contínuo de cocaína estava impactando o seu rendimento físico no Tricolor: ‘’ Tive alguns problemas, mas nada que tenha tomado uma grande proporção. Encarava como algo leve, não entendia que estava caminhando para uma dependência. No São Paulo que percebi que estava tendo um problema com álcool e drogas’’.

O jogador ainda ressaltou que chegou no São Paulo com sete meses de abstinência e o clube tinha ciência dos problemas passados pelo jogador. A fama então começou a subir na cabeça do atleta, e então veio a primeira recaída. O Tricolor aceitou pagar pelo tratamento do jogador, mas outro episódio extracampo levou a diretoria do clube a dispensar Régis.

O atleta explicou para o Globoesporte como o São Paulo o notificou de sua dispensa: ‘’ Eles me ligaram. O Raí pediu para eu descansar e disse que estava insustentável minha manutenção no elenco. Não queria acreditar que tinha jogado fora a maior oportunidade da minha vida. Fiquei de setembro a dezembro sem poder atuar. Enfiei o pé na lama, me perdi nas festas e coloquei na cabeça que tinha que me entregar. Acabei sendo preso, fui ao CSA totalmente desestruturado. Isso gerou uma nova recaída.

Não foi o mais grave, mas abriu meus olhos.’’
A recente prisão por porte de drogas e embriaguez ao volante abriu os olhos do atleta, que tomou consciência de que precisava botar a sua vida em ordem. O estado físico e mental de Régis estava em frangalhos, segundo comentou o jogador.
Após iniciar o tratamento, Régis passou a refletir mais sobre a importância da vida, na casa de reabilitação, ele passou por um processo longo de desintoxicação da cocaína e está conseguindo viver uma vida rotineira, apesar do processo de recuperação ser bastante demorado.

O jogador não pensa em parar de jogar após sair do tratamento. Régis afirma que pretende mostrar que pode voltar a ser um jogador de alto nível: ‘’Aceitar uma internação não é fácil, isso mostra que desejo me restabelecer. Quero provar que posso voltar. Passo a passo, dia a dia vou conquistar essa confiança. Vou voltar a jogar e espero ter o mesmo desempenho ou ainda melhor.’’

Os responsáveis por acompanhar a evolução do atleta são os funcionários da casa de reabilitação e os do São Bento. O tratamento inclui terapias, cultos e interações com outros pacientes. O atleta ainda revelou que virou apaixonado pela música, onde aprendeu a tocar bateria e vilão. Ele ainda está treinando no São Bento junto com o elenco principal e está relacionado para disputar o Brasileirão da Série B, pelo clube.

O Correio do Interior é produzido por jornalistas que apuram e chegacam informações dos fatos diariamente notíciados no jornal.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *