“Irei lutar pelo esporte e saúde em São Roque”, diz candidato a Dep. Estadual Márcio Silva

Rafael Lima - Correio do Interior

17 de setembro de 2018
Atualização:17 set 2018 às 5:18

“É hora da gente mudar a política, mudar o jeito de fazer política e mudar o país de alguma forma”, afirma o candidato a Deputado Estadual Prof. Márcio Silva (PHS) que tem como compromisso ajudar toda a cidade de São Roque (SP) e região.

Márcio tem como um de seus principais projetos, se eleito, o investimento no esporte na cidade de São Roque.  Proprietário de uma escola de artes marciais na cidade, ele relatou ao Correio do Interior que sempre recebe convites para alguns campeonatos, e por sua vez ele encaminha um ofício à prefeitura, logo o documento é devolvido, sem qualquer resposta animadora.

“Antigamente nunca faltaram transportes para os atletas, principalmente na época do ex-prefeito Efaneu Nolasco Godinho (PSDB) Nos últimos seis anos, passamos a não ter suporte de nada. Até para os Jogos Regionais na cidade de Salto neste ano”. disse ele em entrevista para sobre sua candidatura.

Mas ele também explica os motivos para todo esse problema: “Estamos vendo que a prefeitura está passando por dificuldades, o atual prefeito (Cláudio Góes) não está fornecendo transporte porque ele não quer, é porque realmente não há condições. Não estou julgando ninguém e sei o quanto eles passam apertado com um verba tão pequena”.É aí que entra o papel de um deputado.

Márcio estando na Assembleia em São Paulo, afirma que pode buscar por emendas e recursos para o município. Apoio a projetos sociais, de dança, cultura, ginásticas, e o que deve ser priorizado ainda mais: saúde e educação.

Segundo o candidato, existem algumas camadas na política na questão de se conseguir recursos como por exemplo: têm os vereadores que auxiliam o prefeito. Se não têm as condições, os próprios vereadores devem buscar recursos com os deputados estaduais, que vão buscar no governador. Se o mesmo não tiver condições também, vai até os deputados federais que vão buscar junto à presidência.

Há casos de prefeitos aqui da região que estão frequentemente indo até São Paulo atrás de emendas e recursos para suas cidades, e o candidato afirma que se tivesse deputados da região lá [Assembleia Legislativa] isso não teria a necessidade: “Temos que priorizar quem está mais próximo da gente, que você conhece e que está fazendo alguma coisa para a sua cidade”. ressalta ele.

“Se você pratica algum tipo de esporte, você raramente vai para o hospital”. Márcio explica que quando nós praticamos algum tipo de esporte, nossa imunidade é melhor, e temos um controle melhor da nossa saúde. “E se você fornece isso nas escolas, acrescenta dentro das escolas atividades complementares como lutas e ginásticas, você também estará auxiliando na saúde dos alunos”.

“O aluno que está nos EUA é obrigado a praticar algum esporte, é por isso que os Estados Unidos é uma potência no esporte mundial”.

Márcio conta que aqui na microrregião de São Roque ele quer essas condições dentro das escolas. “Meu sonho é criar um centro de treinamento. Com especialização para alunos conseguirem se profissionalizar e até mesmo disputar categorias no exterior.“Não existe só um esporte na cidade, São Roque é uma cidade de vários esportes”.

Saúde

“Eu uso o SUS desde pequeno e atualmente, não tenho muito o que reclamar. Há algum tempo precisei realizar uma ressonância e consegui fazer o procedimento sem custo nenhum e fui transferido para Sorocaba (SP). Acredito que por atender uma demanda grande de toda a região, a Santa Casa deveria ser um hospital regional”, enfatiza o candidato.

Um dos problemas é a falta do cuidado maior da prefeitura com os postos de saúde e o hospital, o povo reclama de atendimento mas se a prefeitura se organizar mais, esse problema acaba”.

Márcio cita o exemplo da cidade de Osasco, na grande São Paulo, que em termo de população é bem maior que São Roque e lá um hospital pequeno consegue atender normalmente todas as pessoas. “Aqui a cidade não é tão grande, e realmente falta mais organização”.

Educação

Para o candidato, a educação é primordial, para a pessoa ser um ser humano informado e crítico. Como um político vai ser cobrado sendo que o jovem não está nem aí? não querem nem votar. Então, se você não votar, não vai ter condições de chegar no futuro e cobrar.

“Como queremos mudar um país se o principal, a base, que é a educação está péssima? Como você vai trazer um jovem para ser um médico sendo que não tem a base. Saiu uma pesquisa recentemente que a educação no Brasil, tanto pública quanto privada, está péssima.”

Em sua plataforma, a primeira parte para buscar recursos à cidade é na área da saúde e depois, empregos. “Um pai de família sem emprego, é uma pessoa triste. Então o que eu quero é trazer empregos para a região, vamos criar um setor industrial que não vá agredir o meio ambiente. Que gere empregos, existem muitas empresas de montagem que podemos trazer aqui, dando um vida digna para os pais de família. Tendo condições de colocar seus filhos em cursos, faculdades melhores”.

Outro assunto abordado também são as faculdades da cidade, o candidato sempre questionou a inexistência de cursos nas áreas das engenharias, cursos voltados também às indústrias. “Temos boas faculdades aqui, inclusive uma FATEC e se tem um curso que você deseja aqui na região, não é preciso ir para outros estados para isso”.

Turismo e lazer

Na questão do turismo, em seu plano ele vai explorar mais o turismo para gerar mais empregos e não ficar concentrado em pessoas que já têm empresas. “E não adianta também ser tudo caro, podemos sim fazer um turismo mais barato, em que família não venham pra cá com medo de gastar demais ou até evita de vir, por conta disso”.

No lazer e esportes o candidato cita o espaço no final da Avenida Bandeirantes “Fizeram aquele espaço bonito, podemos trabalhar para que tragam mais atividades para o local como zumba no final de semana, basquete, futebol. O esporte precisa de mais atenção, mas a cidade não tem mais condições. Talvez em um prazo de dois anos, isso tudo possa melhorar”.

Outro projeto defendido por Márcio é a criação de uma pista de corrida em cima da parte da marginal reformada recentemente na Av. Antonino Dias Bastos. “Meu aluno e eu fizemos uma medição no local outro dia, uma ida e uma vinda somam 1km. Ali a população poderia utilizar como uma pista de corrida nas laterais e de caminhada no meio, e porque não colocarmos um som ambiente e agradável?”, questiona o candidato já que está preocupado com o péssimo estado de algumas calçadas, afirmando que muitos correm na rua por conta disso e isso é perigoso”.

Como o candidato mora na Vila Amaral, ele cita também uma escola abandonada que poderia ser um centro esportivo cultural. Em que toda a família pudesse usufruir, uma mãe de família possa aprender a costurar, pintar, cozinhar… “Então o que precisa em São Roque é de um centro que englobe tudo isso, em que mãe, pai e filhos, possam estar lá no mesmo local”.

Transporte Público

Sobre o transporte público na cidade, como recentemente foi mudada a empresa responsável e toda a frota, ele acredita que já existiram mudanças e que ainda dá para melhorar, já que a empresa foi contratada para isso. “Se foi feita uma licitação, foi feito um contrato, se a empresa não cumprir, está fora”.

“Talvez o povo reclame um pouco de pagar 50 centavos a mais, mas se você tem um ônibus bom… Um bom exemplo são os ônibus da capital? E eu sou a favor também de colocar câmeras nos veículos para que consigamos encontrar os vândalos e que os mesmo paguem por isso”.

Segurança

Sobre segurança, o candidato afirma que em São Roque não existem muitas reclamações de segurança, mesmo que comparado a outros municípios. Porém, um fato que pode ser melhorado e talvez precise ser mais cobrado é a vigilância da polícia e da guarda municipal nos bairros.

“Eu entrei na política porque vejo que meu filho não vai ter futuro, vai chegar uma hora que a gente não vai ter futuro, não vamos ter uma educação boa, segurança, saúde, emprego…”

Márcio Silva – Sua história

Márcio Silva (43) nasceu em Capão Bonito, interior do estado de São Paulo e conta que veio para região de São Roque em busca de emprego para a família. Seu pai conseguiu um cargo na Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) e depois trouxe o restante família consigo. Quando o candidato completou 11 anos, sua família se mudou para São Roque, em 1986. Hoje ele é casado e tem duas filhas, uma de 16 anos e outra com 23 anos.

Por morar há tanto tempo na cidade, Márcio já se considera um são-roquense. Seu primeiro emprego foi no mercado São Roque em 1989 com apenas 14 anos. E em toda sua trajetória trabalhou em empresas como Penalty e Telesp (atual VIVO Telefônica), foi feirante, vendedor, palestrante e atualmente é proprietário e professor de uma escola de artes marciais, a 100% Impacto Dojo. É formado em Administração pela FAC São Roque.

“Desde 2010, trabalho com projetos sociais aqui no Dojo. Temos nossos bolsistas e alunos de escolas públicas que não gastam nada para estarem aqui”. Márcio conta que no fim do ano passado teve que parar um pouco com os projetos e diminuir esse número, já que sozinho não conseguia.

Agora, com uma parceria com a Secretaria de Esportes de São Roque, o projeto vai voltar e afirma: “Tenho três alunos preparados agora para serem professores e a partir do mês que vem pretendo pegar 50 alunos de escolas públicas”

 

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *