PUBLICIDADE

Prefeitura de São Roque esconde casos de morte em centro de hemodiálise, após destaque no Correio do Interior

Igor Juan

3 de abril de 2019
Atualização:03 abr 2019 às 13:28

A Prefeitura de São Roque em nota após matéria publicada ontem (terça-feira, 02), em que expôs a situação do centro de hemodiálise da cidade, fechado por contaminação e uma série de mortes acompanhadas pelo Correio do Interior, falou de modo breve sobre o caso.

Em nota e assim como noticiado primeiramente pelo Correio do Interior, A Vigilância Sanitária (VISA) e o Departamento de Saúde de São Roque determinaram a interdição cautelar temporária da Unidade de Hemodiálise do município, por suspeita de contaminação no Centro Médico e Nefrológico (CENEME), OSCIP que gerencia a unidade de hemodiálise da cidade.

Leia mais: 

Centro de hemodiálise em São Roque é fechado após 15 mortes em março

Na nota que não foi enviada diretamente ao Correio do Interior, a prefeitura informou que os 52 pacientes renais crônicos, moradores de São Roque, que se tratam na unidade foram conduzidos para novas sessões na cidade de Itu (SP), até que o centro a unidade de São Roque volte a funcionar, e que vai garantir o transporte dos paciente do município até Itu.

Tentamos contato com a prefeitura para falar sobre as mortes recorrentes no centro de hemodiálise, mas não conseguimos nenhum retorno. O fato agravante do caso não é o fechamento do centro, e sim as mortes em grande número ao que identificamos até o momento pelo Correio do Interior, informações essas que estão sendo escondidas pela prefeitura em meio a realidade.

Na nota de posicionamento a prefeitura não falou sobre as mortes, mas o chefe da Vigilância Sanitária, Francisco Cruz, disse que os óbitos serão apurados mas não falou sobre números e tratou o caso após breve entrevista à um jornalista oculto do Correio do Interior, como “supostos casos de óbitos”, gerados pela contaminação do local, que ainda conforme apurado em informações a contaminação estaria ocorrendo a longo prazo e a interdição do local foi só foi feita após varias mortes recorrente e o desespero da direção da clinica, que não foi localizada até o fechamento desta reportagem (13h10).

Igor Juan

Jornalista editor-chefe do Correio do Interior. Formando pela faculdade ESACM Sorocaba. Atuou na RedeTV!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *