Sem alvará, escola contêiner é interditada pela justiça em Mairinque


15/04/2019 l Atualizada em - 15/04/2019 às 14:22

Nesta segunda-feira (13), alunos da Escola Municipal “Felipe Lutfalla”, no bairro Porta do Sol, em Mairinque (SP), tiveram as aulas suspensas em uma interdição do Ministério Público.

A escola foi interditada após denúncias das condições e riscos em que os estudantes enfrentavam em salas de aulas improvisadas dentro de contêineres há cinco anos. Três contêineres eram usados de modo unificado para receber os alunos.

Com a interdição todos os alunos que em números geral não foram informados, serão transferidos provisoriamente para uma outra escola informou a prefeitura. Os alunos do 6º ao 9º anos, vão ser transferidos para a Escola Municipal “Tereza Caramanti Quezini”, no bairro Marmeleiro.

A Prefeitura de Mairinque informou ainda que pretende manter parte de um grupo de alunos do 1º ao 5º ano na Escola Felipe Lutfalla, em uma parte prédio que é de alvenaria, e que irá encaminhará à Justiça um pedido para que a parte de alvenaria da escola, que também está interditada, seja liberada.

A Justiça ordenou ainda que a situação seja regularidade e caso seja descumprida, pagará multa diária no valor de R$ 4 mil.

Um agravante da situação é que um laudo do Corpo de Bombeiros atestou que o local não oferece segurança ao seus ocupantes. País de alunos relataram inclusive sobre fiações elétrica expostas, o que gera preocupação a eles ainda em comparação ao caso do abrigo de base e treinamento do Flamengo no Rio de Janeiro.

Em contato com o fogo o material de polietileno dos contêineres exala uma fumaça tóxica, além de outros riscos como o calor enfrentado pelos alunos, já que o ar condicionado não funcionava.

Escola_Contêiner_Mairinque_Porta do Sol.jpg

Com a interdição todos os alunos serão transferidos provisoriamente para uma outra escola informou a prefeitura.

Comentar reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *