São Roque e Mairinque podem ter racionamento de água, diz Flaviano Lima
PUBLICIDADE

São Roque e Mairinque podem ter racionamento de água, diz Flaviano Lima

Redação

25 de agosto de 2021
Atualização:25 ago 2021 às 14:52

A Região Metropolitana de Sorocaba enfrenta a maior crise hídrica dos últimos 90 anos, a afirmação e levantamento é do professor universitário Flaviano Lima.

Ao Correio do Interior, Flaviano destaca que Represa de Itupararanga, tem menos de 5 metros cúbicos para entrar no volume morto, o que seria um alerta emergencial para as companhias que fazem captação de água da represa para abastecimento das cidade de São Roque, Mairinque, Ibiúna, Sorocaba e Alumínio. Ainda segundo Flaviano em 30 dias se não chover em grande volume pode ocorrer o racionamento, situação que já preocupa as companhias de abastecimento.

O principal fator para crise hídrica é o baixo volume de chuvas na região. No volume morto as companhias de saneamento fazem a captação com mais dificuldade, o que levaria as companhias a adotarem medidas como o racionamento do fornecimento de água, ou seja liberar o abastecimento em dias fracionados como por exemplo a cada 2 dias ou mais.

O Sistema Nacional de Meteorologia  alerta que de fato a região vive uma crise hídrica associada à escassez de chuvas que estão abaixo de 60% do que era esperado para o período. E que desde o verão de 2020 choveu pouco e para os próximos meses os estudos indicam poucas chuvas.

O reservatório Itupararanga se inicia num ponto situado no município de Ibiúna e tem seu barramento em Votorantim. Esta sob concessão da CBA que produz energia elétrica e o atual contrato se iniciou em 2004 e vai até 2024, mas o principal atributo do reservatório é para abastecimento público. Mairinque capta num contribuinte chamado fiscal, Alumínio capta no reservatório e Sorocaba e Votorantim captam em pontos após o barramento.

A companhia Saneaqua que realiza o abastecimento e serviços de saneamento em Mairinque adotou como medida inicial passar orientações de consumo consciente ao público e até disponibiliza em um site os dados de níveis diário da represa, que pode ser acessado pelo endereço – jogandojuntopelaagua.com.br 

Em dados consultados pelo Correio do Interior a captação do reservatório denominado Carvalhal em Mairinque já se encontra em situação critica, tendo apenas 1.70 metros, sendo metragem mínima para captação é de 1.70 m. Já o reservatório do Fiscal está com 2.57 metros apenas, sendo que a mínima para esse ponto é de 2.40 metros. Abaixo dessas métricas mínimas a captação de agua só é possível com bombas.

Outro dado consultado pelo Correio do Interior é o do índice  pluviométrico dos últimos meses em Mairinque. O índice pluviométrico indica quanto choveu nos últimos meses. A quantidade de chuva é um dos principais fatores que determinam o abastecimento dos mananciais, fontes naturais de água doce e a origem do líquido que abastece os reservatórios das cidades.

Em maio choveu no mês todo apenas 35 milímetros em Mairinque, em junho 7.6 milímetros e julho 29.7. Em dados da Somar meteorologia.

Multa para quem despreciar água em Mairinque

Como medida de evitar o uso indevido de água a Prefeitura de Mairinque está aplicando multas no valor de R$ 600 para os moradores que forem pegos em ato de desperdiço como lavar carro, calçadas entre outras situações.

Diminuição do nível de chuvas

Você sabe qual é a relação entre o desmatamento na Floresta Amazônica e a falta de chuvas? Bom, isso acontece por causa do fenômeno dinâmico dos famosos “rios voadores”, que levam umidade a diversas regiões da América do Sul.

Como funciona esse processo? É simples: o vapor de água que se forma nas águas tropicais do oceano Atlântico acaba se encontrando e sendo alimentado pela umidade da Floresta Amazônica. Toda essa umidade termina por atravessar a Amazônia até que encontre o paredão da Cordilheira dos Andes. Nesse local, uma parte da umidade vai se transformar em chuva e alimentar nascentes de rios, como o Amazonas. Quanto à outra parte, essa vai ser encaminhada para a regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul do Brasil, causando as chuvas.

Por sua vez, a chuva ajuda a elevar o nível dos reservatórios e dos mananciais. Portanto, quando não há chuva, os níveis baixam, podendo chegar ao ponto de racionamento.

Outras causas

Por fim, podemos citar outras causas do racionamento de água, como a degradação das reservas de água e dos rios; a má gestão dos recursos hídricos; e a remoção de grande parte da vegetação que auxilia a água da chuva a se infiltrar no solo e atua na evaporação para assegurar a continuação do ciclo de água e proteger os cursos d’água e mananciais.

O Correio do Interior é produzido por jornalistas que apuram e chegacam informações dos fatos diariamente notíciados no jornal.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *