Preso, Carlos Aymar e Secretário irão responder por organização criminosa e corrupção passiva
PUBLICIDADE

Preso, Carlos Aymar e Secretário irão responder por organização criminosa e corrupção passiva

Redação

18 de outubro de 2019
Atualização:18 out 2019 às 9:52

A Polícia Civil indiciou quatro envolvidos no pagamento de propina na Prefeitura de Araçariguama nesta quinta-feira (17). O ex-prefeito Carlos Aymar e o ex-secretário de gabinete Israel Pereira da Silva, presos em flagrante na segunda-feira (14), recebendo R$ 15 mil em dinheiro dentro da  prefeitura da cidade, estão entre os envolvidos.

O ex-Secretário e Carlos Aymar  vão responder por organização criminosa, usurpação da função pública e corrupção passiva.

A prisão de Aymar, marido de atual prefeita da cidade, Lili Aymar, estava sendo investigada há cinco meses pela DIG – Delegacia de Investigações Gerais de Sorocaba, após uma denuncia em que ele cobrava mensalmente o pagamento de valores de uma cooperativa habitacional que buscava liberação para construção de 840 moradias na cidade.

Os demais indiciados são, André Fabiano Dias de Carvalho, diretor de transportes da prefeitura, e o ex-diretor de comércio, Gilberto Brandão Fonseca. Os dois irão responder por organização criminosa. A polícia ainda pediu o afastamento da função pública de André Fabiano.

O advogado de Israel Pereira da Silva informou ao Correio do Interior que aguarda o relatório final das investigações para apresentar a defesa, e ressaltou que o caso é uma “armação política”.

Gilberto Brandão da Fonseca afirmou que está tranquilo e disse que fez a lacração do escritório da cooperativa de habitação por venda irregular de lotes. A empresaria, dona do empreendimento, disse que até mesmo seu escritório foi fechado na cidade por não ter pago um valor inicial do esquema.

Já o advogado de Carlos Aymar alegou que o flagrante de cobrança de propina foi forjado, e que irá pedir à Justiça um habeas corpus, para que seu cliente venha responder em liberdade.  Carlos está preso na Penitenciária P2, no bairro Aparecidinha, em Sorocaba. Já Israel foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória (CDP), também na cidade.

Pedido de afastamento

Na terça-feira (15), o Ministério Público pediu à Justiça o afastamento da prefeita de Araçariguama. O pedido ainda não foi analisado pela Justiça, mas em caráter de urgência a decisão deve sair a qualquer momento.

O Correio do Interior é produzido por jornalistas que apuram e chegacam informações dos fatos diariamente notíciados no jornal.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *