PUBLICIDADE

Pesquisadores descobrem fusão de variantes Delta e Ômicron

Gabriel Kazuo

11 de janeiro de 2022
Atualização:11 jan 2022 às 17:54

Pesquisadores do Chipre descobriram, na manhã desta segunda-feira (09), uma fusão entre as variantes Delta e Ômicron da Covid-19. Chamada de Deltacron, ela entrou no radar de alerta da OMS, que começa a monitorar seus impactos na população mundial.

Segundo os cientistas, a nova variante possui a ”identidade” da Ômicron, com traços genéticos da variante Delta.

Neste interim, 25 casos de Derltacron já foram confirmados, e a tendência é que eles comecem a subir ainda mais.

Contudo, ainda não há motivos para pânico, pois essa fusão de variantes pode ser inofensiva e com menos contágio.

Essa descoberta vem no período em que diversos países sofrem com o aumento exponencial de casos de Covid-19, causada pela variante Ômicron.

Logo a recomendação principal é a manutenção do distanciamento social e do uso obrigatório de máscaras, bem como agilizar a vacinação.

Fusão de variantes é algo normal?

Como muitos devem saber, os vírus são seres vivos assim como os humanos, e precisam se adaptar ao meio-ambiente.

Dessa forma, se o meio onde vivem ameaça a sua sobrevivência, é necessário que eles passem por evoluções, para sobreviverem.

Logo, já era previsto que uma fusão de variantes seria algo possível, já que o coronavírus tenta a cada dia se adaptar ao ambiente em que vive.

Ainda assim, os cientistas acreditam que a Covid está ”perto da derrota”.

É possível que uma espécie pare de evoluir?

A principal justificativa para essa teoria de que a Covid irá acabar em breve é justamente pelo surgimento da variante Ômicron.

Em outras palavras, tudo leva a crer que a Covid irá parar de evoluir, pois já alcançou sua melhor forma dentre as variantes.

Por fim, a tendência é que o vírus comece a ser menos letal e sua incidência comece a diminuir ao longo do tempo, provavelmente ainda em 2022.

Gabriel Kazuo

Formando em jornalismo pela faculdade ESAMC, é jornalista de editoria geral no Correio do Interior. gabriel.kazuo@correiodointerior.com.br

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *