Número de pessoas que caem em golpes cresce em Sorocaba
PUBLICIDADE

Número de pessoas que caem em golpes cresce em Sorocaba

Gabriel Kazuo

18 de outubro de 2021
Atualização:18 out 2021 às 11:22

Por conta da pandemia, e também dos avanços tecnológicos que hoje já são tendência na nossa sociedade, os crimes que envolvem redes sociais e aplicativos bancários- os golpes cibernéticos- aumentaram não só no Brasil, mas também em Sorocaba.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, desde 2020, o número de pessoas que foram vítimas de crimes cibernéticos ou que quase caíram no golpe cresce a cada dia em Sorocaba, e demais áreas paulistas. O mais comum é a clonagem do celular.

Para tanto, o Governo precisou criar, em dezembro de 2020, uma divisão especializada da Polícia só para combater esse tipo de crime, a Divisão de Crimes Cibernéticos, que age junto com a Deic para prender golpistas e hackers.

Inclusive, no site da Divisão de Cibercrimes, há uma cartilha mostrando orientações da organização sobre como evitar cair em golpes.

Dicas da Divisão de Crimes Cibernéticos para evitar cair em golpes

  • Clonagem de WhatsApp

O crime mais comum e o mais conhecido de todos é a clonagem do WhatsApp, onde os criminosos se passam por empresas, bancos ou entidades governamentais, enviando um link para que as vítimas enviem o código de segurança da rede social, para fazer a clonagem.

Com o número do WhatsApp da vítima em mãos, eles mandam mensagens para amigos e parentes, pedindo dinheiro. Para não cair no golpe, a Polícia orienta:

  • Ativar a Verificação em Duas Etapas no WhatsApp;
  • Não dar o código de Verificação em Duas Etapas par ninguém;
  • Não enviar dados pessoais via WhatsApp;
  • Se receber uma mensagem pedindo para efetuar uma transferência bancária com urgência, ignore a mensagem;
  • Se essa mensagem for de uma pessoa próxima, ligue para ela e descubra o que está acontecendo;
  • Se cair em um golpe, avise familiares e amigos para não responderem mensagens suas, procure imediatamente a Polícia e desinstale o WhatsApp e denuncie no Suporte da Rede Social.

 

  • Golpe do Boleto

Nesse golpe, o criminoso se passa por uma empresa verídica, e pede que a pessoa pague um boleto de compra verdadeiro, que ao invés de ir para a organização, cai na conta da quadrilha. Para não ciar nesse golpe, siga esses procedimentos:

  • Verifique se todos os dados da transação estão corretos;
  • Verifique se o código de barras do boleto é o mesmo do banco que realiza a transação;
  • Não realize o pagamento se detectar falhas no documento, principalmente no código de barras;
  • Não pague o boleto se você não tiver certeza sobre o que está pagando;
  • Só realize pagamentos de boletos intermediados por bancos, e não por terceiros ou desconhecidos;
  • Se cair no golpe, bloqueie imediatamente a sua conta;
  • Imprima o comprovante e o boleto da transação e faça um Boletim de Ocorrência.

 

  • Golpes bancários

O criminoso se passa por um banco, ou funcionário de um banco, para cometer crimes de estelionato. Para evitar isso, adote as seguintes medidas:

  • Não faça transações financeiras em lan houses ou áreas públicas de uso de computadores;
  • Não abre e-mails de SPAM ou de pessoas ou empresas desconhecidas;
  • Se receber esse tipo de e-mail, não clique em nada, apenas delete-o da caixa de entrada;
  • Se for vítima, bloqueie a conta e junte documentos para o boletim de ocorrência.

 

  • Golpes envolvendo sites de compra

Crime onde os bandidos se passam por empresas de e-commerce, onde aplicam os golpes. Para se proteger, basta fazer isso:

  • Não compre nada na internet em lan houses ou em redes de computadores públicos;
  • Se descobrir erros de grafia ou de descrição de produtos, feche o site imediatamente;
  • Desconfie sempre de produtos baratos demais;
  • Procure informações sobre o site no Procon e Reclame Aqui;
  • Verifique se o site é seguro;
  • Se cair no golpe, procure imediatamente a Polícia.

 

O Correio do Interior é produzido por jornalistas que apuram e chegacam informações dos fatos diariamente notíciados no jornal.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *