Governo vai criar novo estado no Brasil chamado Tapajós
PUBLICIDADE

Governo vai criar novo estado no Brasil chamado Tapajós

Gabriel Kazuo

24 de novembro de 2021
Atualização:24 nov 2021 às 17:46

O Brasil pode ganhar um novo Estado, a partir do ano que vem. Trata-se do Estado de Tapajós, que viria de uma cisão de parte do Pará, que deseja independência econômica do restante do Estado, o que é alvo de críticas da gestão Hélder Barbalho.

Vale lembrar que a criação de Tapajós á foi discutida em 2011, e que foi rejeitada pela população em um plebiscito. Dez anos depois, o tema voltará a ser discutido, nesta quarta-feira (24), com parecer ”um pouco mais favorável” para a divisão do Estado do Pará em dois.

A ideia inicial é que Tapajós conte com 23 cidades, todas na região oeste paraense, com divisa para o Amazonas, cuja capital seria Santarém. Inclusive, o projeto para a rediscussão do estado foi proposto pelo senador amazonense Plínio Valério (PSDB), por entender que o Pará não está cuidando do desenvolvimento da região onde Tapajós seria construída.

Caso a Comissão de Constituição e Justiça vote ”SIM” ao projeto de criação, ele será enviado ao Senado, para decidir se será votado pela Câmara de Deputados. Se houver sinal positivo, será marcado um plebiscito no Pará para saber se o Estado deve ser dividido ou não. Se a CCJ votar ”NÃO” ao parecer, o assunto será dado como encerrado.

O projeto ”Tapajós”

O nome desse estado é em homenagem aos índios tapajós, que residem justamente no oeste paraense, e que desejam a emancipação, em relação ao restante do Estado. A cidade escolhida como capital é Santarém, que é justamente a terceira cidade mais populosa do Pará, segundo o IBGE.

Se Tapajós fosse criado, o Pará perderia 43m15% de sua área total, o que representa 2 milhões de habitantes a menos. O PIB da região gira em torno dos R$ 18 bilhões, e a principal fonte de renda está no primeiro setor da Economia (agricultura, pecuária e mineração).

Justamente por considerar a região como sendo ”autossustentável”, o governador Helder Barbalho é contrário à cisão do Pará, pois além de ser uma região de suma importância econômica para o Estado, sua gestão não está medindo esforços para que o bem-estar da população local seja garantido.

O Correio do Interior é produzido por jornalistas que apuram e chegacam informações dos fatos diariamente notíciados no jornal.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *