Força tarefa policial realiza buscas em Piedade à acuado de ter matado Heloá Pereira


13/01/2020 l Atualizada em - 13/01/2020 às 12:40

O fim de semana foi de muita movimentação em Piedade, cerca de 30 policiais civis, militares, guardas municipais, voluntários e cães farejadores de um canil de Itu, o Grupamento de Busca e resgate Sul Paulista) que passaram o domingo (12), enquanto houve luz natural, em busca de Elivelton Santos Furtado, suspeito de matar Heloá Pereira, de 11 anos.

Segundo apurado junto às forças policiais por Diego Cléberton, do Blog Bom Dia Piedade, que acompanhou tudo ao longo deste dia, a operação começou no início da manhã do domingo e só terminou com a chegada da noite.

A varredura foi feita pelas forças policiais, num perímetro de aproximadamente quatro quilômetros, a partir da casa do suspeito (vizinha à moradia da vítima), no bairro Douradinho, próximo da divisa entre Piedade e Pilar do Sul.

A área vasculhada, a qual o suspeito conhece muito bem, foi definida por informações apuradas pela policia civil, militar e a guarda municipal nas semanas anteriores e monitorada por imagens obtidas através de um drone, que fez o levantamento aéreo do local com áreas de mata fechada, lavouras e descampados.

Na região existem muitas casas abandonadas, algumas mobiliadas, com colchões, nas quais havia vestígios de que alguém havia estado no imóvel, nos quais havia restos de comida, dentre outros resquícios de o suspeito teria se abrigado nestes locais.

De uma pousada nas proximidades foi furtada uma boa quantidade de alimentos, nos últimos dias. Acredita-se que estes comida esteja ajudando a manter o procurado no meio de mata. Em uma das casas inabitadas vistoriadas havia cascas de banana pelo chão. Por determinação dos adestradores, habituados a ações desta natureza, foi a partir delas que os cães farejadores do Grupamento e Busca e Resgate, com sede em Itu, passaram a orientar os policiais nas buscas.

No banheiro coletivo do local onde a mãe do suspeito trabalhava foi encontrada na parede externa, uma frase escrita com carvão: “MÃE TE AMO … PEZÃO)”. Vale ressaltar que a família de Elivelton  se mudou a cerca de duas semanas para o município de São Miguel Arcanjo.

O procurado pela justiça não foi encontrado, contudo, entre os policiais existe a convicção de que ‘Pézão’ esteja nas proximidades da casa onde ele morava até o dia seguinte do crime. O indivíduo desapareceu em 20 de dezembro, dia em que o corpo foi encontrado numa fossa desativada ao lado de sua casa.

A operação realizada neste domingo, foi mais uma dentre às dezenas de ações já efetuadas pelas Polícias Civil e Militar e Guarda Municipal, ao longo das últimas três semanas. Muitas destas buscas a Elivelton Santos Furtado, vulgo ‘Pézão’, se basearam em informações recebidas por telefone, que mostravam-se bastante imprecisas ou vagas.

Desde o dia 21 de dezembro existe uma mandado de prisão temporária contra o suspeito.Pede-se a quem queira ajudar as autoridades policiais, para que informem com responsabilidade sobre o paradeiro do foragido, pois que, muitas denúncias mostraram-se descabidas.

De acordo com a polícia, várias delações davam conta de que o suspeito estaria nos mais variados e distantes bairros do município. Vila Élvio, Miguel Russo, Leites, foram algumas das localidades citadas. As denuncias falsas  acabam atrapalhando o trabalho de buscas das forças policiais.

Fuga do acusado

 O suspeito Elivelton,  que era vizinho da vítima e usuário de drogas,  possuía passagens policiais por furto. Ele chegou a ajudar nas buscas e teria confessado para a mãe que teria feito “Algo muito feio e ela iria saber  ”, depois , no dia 20 de novembro pegou uma faca e fugiu. Desde então buscas era feitas pelo Douradinho e bairros vizinhos.

Cerca de 10 dias depois a família do acusado se mudou para São Miguel Arcanjo, com isto, a casa onde moravam ficou vazia. Inúmeras informações desencontradas acabaram dificultando as ações das forças policiais, nas buscas ao suspeito.

O Crime que chocou o Interior de São Paulo

Segundo a Polícia Civil, no dia 19 (quinta-feira), o pai de Heloá Pereira  se ausentou por aproximadamente meia hora para ir buscar seu caminhão para trabalhar, e deixou a menina dormindo em seu quarto.

Quando retornou para levar ela na residência de sua avó paterna, constatou que ela não estava na casa. Buscas foram feitas,  pelo bairro, mas ainda não havia conseguido elucidar o caso, suspeitando que ela havia sido levada da casa dali.

Na noite de 20 de dezembro, a Policia Militar recebeu a solicitação dum irmão de Elivelton que havia localizado um corpo do sexo feminino no interior de uma fossa, que fica entre a duas casas, da vítima e do autos.

O corpo encontrava-se envolto em um lençol e um cobertor, ambos com manchas de sangue. A vítima estava despida da cintura para baixo e havia indícios de violência sexual,  com cortes na região frontal da cabeça e diversas lesões perfuro-cortantes na região torácica superior esquerda, tanto na parte da frente do corpo quanto nas costas.

Heloá apresentava, ainda, cortes na mão esquerda, o que entendeu-se ser uma tentativa de defesa.  Suspeitou-se, então, que o agressor seria pessoa próxima da vitima, isto por causa, da forma, sem deixar vestígios, de que a vitima foi retirada de sua casa e também, no local onde o cadáver foi ocultado.

O assassinato da menina seria para evitar que ela indicasse o autor, já que, haviam indícios de violência sexual. O  lençol e o cobertor que envolviam o corpo foi mostrado ao pai da vitima, que afirmou que aqueles objetos não eram de sua residência.

Logo a polícia soube que o então autor do crime estava desaparecido desde o início da manhã de sexta-feira (20), um dias depois do crime. O lençol e o cobertor que envolviam o corpo da menina foram reconhecidos como sendo de Elivelton.

O laudo necroscópico da menina Heloá concluiu que a vítima não resistiu a uma hemorragia interna causada por 18 perfurações. A Polícia Civil apurou até esta sexta-feira (10) 20 denúncias contra o vizinho foragido apontado como autor do crime. Entre os ferimentos foram identificados golpes no tórax, no pulmão esquerdo e no coração causados por arma branca. O tipo de arma não foi especificado.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *