Dona do Outlet Catarina, JHSF impediu a Havan de se instalar em São Roque em 2017


04/06/2019 l Atualizada em - 04/06/2019 às 18:14

Dona do Outlet Catarina e do Aeroporto Catarina, que está em fase de construção às margens da Castelo Branco em São Roque (SP), a construtora JHSF, grande potência do setor da construção civil com inúmeros empreendimentos de luxo, impediu que em 2017 a Havan fosse implementada em São Roque. 

A informação foi dada ao Correio do Interior por um ex-membro de negócios da JHSF  que fazia vendas de espaços e pontos à marcas e empresas, para serem implementadas dentro do futuro aeroporto comercial da construtora na cidade. 

Em 2017 diretores comerciais da Havan estudavam a possibilidade junto ao poder público de instalarem uma unidade da Rede Havan as margens da Castelo Branco, bem próximo ao Outlet Catarina, localizado no quilometro 60, porém de conhecimento da administração da JHSF que busca expandir o outlet e até mesmo criar uma “mini cidade” com o projeto de um condomínio de luxo em uma área atrás do outlet, politicamente adotou situações ao poder público são-roquense para que o terreno pedido pela Havan não fosse concedido. 

“O que posso dizer até aqui é que a JHSF politicamente ditou as regras ao poder público para que não houvesse ao seu lado uma concorrência, ainda mais se tratando de uma marca popular”, disse o ex-membro de negócios da JHSF. 

São Roque é uma cidade que atrai olhares de muitos empresários e empresas, por ser conhecida pela tranquilidade e por estar bem localizada, estando a há cerca de 1h e meia da capital. A cidade poderia estar muito bem estruturada com grandes empresas, lojas e empreendimentos, mas impera a questão do ‘quem pode mais’, o que atrapalha o desenvolvimento econômico da cidade. Comenta o ex-funcionário. 

Não se sabe exatamente qual foi a ordem dada por eles (JHSF), são informações que não se comenta com quem está abaixo dos pequenos (cargos), mas foi dada uma ordem e a prefeitura  ao final de 2017 recusou uma proposta que a Havan até então nem pode apresentar como deveria e que geraria mais oportunidades de emprego. Acrescenta o ex-colaborador de negociosos. 

A Castelo Branco em São Roque “pertence” à JHSF, ela chegou se instalou e se uma nova gestão não dar limites a eles, economicamente a cidade não vai evoluir, dando espaço as inúmeras empresas que aqui querem estar, disse o ex-membro da empresa. 

Havan estuda comércio central 

Recentemente o Correio do Interior destacou que a Havan  pretende abrir uma unidade em São Roque, em conversa com  diretores da empresa.  

Em 2018, Luciano Hang, dono da rede anunciou o investimento de R$ 500 milhões na abertura de novas unidades pelo país ainda este ano: investimento esse que já vem ocorrendo. Indaiatuba ganhou uma unidade da Havan em anexo a um Shopping Center. Muito em breve Itapetininga também será contemplada com uma unidade, gerando 480 empregos e renda ao município. 

Ao Correio do Interior, a direção da empresa que surgiu em Santa Catarina há 32 anos, disse que vêm estudando o comércio são-roquense e analisa um espaço, que possivelmente, possa ser a instalação da loja. Segundo ainda os empreendedores, a outros critérios para que a unidade seja implantada na terra do vinho. A direção não descarta a região do bairro Taboão, por conta da acessibilidade, logística e espaço, atendendo aos padrões da Havan.
A Prefeitura e a Câmara Municipal não foram informados sobre o interesse do investimento na cidade, já que o comércio e comportamento de consumo e gasto ainda está sendo analisado, ao que foi informado ao Correio do Interior. O número de possíveis postos de trabalhos a serem gerados também não foi informado, mas pelos padrões de cada loja o esperado é que o número seja em algo em torno de 200 vagas diretas e indiretas. 

Ao que analisado pelo Correio do Interior, a presença de outras lojas de departamento na cidade, como a Americanas e Pernambucanas tem fomentado o interesse da Havan e outras marcas a investirem na cidade. Mas não apenas a presença da concorrência seria o motivo para investimento na cidade, mas também o setor imobiliário que pode elevar a economia da cidade e geração de emprego em um futuro breve. 

Um comentários

  1. Joao

    05/06/2019 at 08:26

    O ministério público deveria investigar estás informações sobre a JHSF e a Prefeitura de São Roque.
    Agora este ex colaborador que está fazendo a ” fofoca” é um frouxo, pois se tem informações contundentes para tal denúncia, que o faça e não fique apenas fazendo acusações infundadas..
    Há..1:30hs de São Paulo a São Roque, está vindo a pé? Kkk
    35 minutos de Castelo..

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *