Como reagir quando o celular cai na água
PUBLICIDADE

Como reagir quando o celular cai na água

Redação

5 de agosto de 2020
Atualização:05 ago 2020 às 13:00

Acidentes acontecem, ainda mais quando se trata de aparelhos celulares . Um dos mais comuns é quando recipientes com líquidos se viram sobre os aparelhos, ou quando eles caem dentro de vasos sanitários, poças de água ou ficam no bolso durante uma tempestade.

No entanto, quem passou por uma situação chata dessas, talvez não saiba que o celular tem conserto, mesmo tendo sido completamente mergulhado na água.

Mas como proceder quando isso acontece?

O que acontece com o celular quando ele entra em contato com água?

Quando um aparelho celular cai na água, há um risco muito grande de oxidação de suas principais peças, fazendo com que ele até deixe de funcionar. A retirada dessa oxidação, no entanto, pode ser feita em alguma assistência técnica com relativa facilidade.

Dentre os componentes que costumam apresentar os maiores defeitos, está a placa interna do aparelho. Ou seja, ao contrário do que muita gente pode achar, não é a tela do celular que corre mais riscos de ficar danificada ao cair na água, e sim, os seus circuitos internos.

Apesar disso, além dos componentes internos, esse tipo de acidente também pode ocasionar manchas do display, sendo que esse problema, da mesma forma que a oxidação, pode ser reparado em alguma assistência técnica.

O preço de um conserto vai depender dos danos causados pela água. Se for só a oxidação é um valor específico, mas se tiver que trocar a placa, o conserto acaba saindo mais caro.

Neste último caso, inclusive, muitas vezes o conserto nem vale tanto a pena. Além disso, quanto mais rápido o aparelho for levado a uma assistência técnica, melhor.

Porém, em casos emergenciais, o que deve ser feito quando um celular cai na água?

Primeiros socorros do aparelho

Em caso do celular cair na água, o primeiro procedimento a ser tomado, obviamente, é retirá-lo dali. Afinal, o aparelho ainda pode ter salvação, e quanto mais rápido for removido do contato com o líquido, melhor. Depois, caso ele não tenha desligado automaticamente, o mais recomendável é desligar o aparelho na mesma hora.

O próximo passo é retirar imediatamente a bateria do celular. Se for um iPhone, isso não será possível, mas em caso de ser qualquer outro modelo, o ideal é retirar a bateria o quanto antes. Isso porque o aparelho, na prática, funciona na base da eletricidade que é extraída da bateria. A partir do momento esse componente é retirado, os efeitos nocivos podem ser diminuídos.

Depois de retirada a bateria, o recomendável é tirar todo e qualquer componente do aparelho (Sim Card, Memory Card, etc.). Dessa forma, cada parte do aparelho poderá ser secada separadamente com um pano. Sim, com um pano. O uso de papel ou mesmo guardanapo não é recomendado, pois eles podem se desfazer ou simplesmente soltar fragmentos que podem obstruir os orifícios desses componentes, causando prejuízo.

Em seguida, basta colocar o aparelho e seus componentes em uma embalagem plástica, retirando todo o ar dentro dela, e criando um vácuo que será importante para que o celular se recupere sem grandes danos.

Métodos alternativos para salvar o aparelho celular funcionam?

É comum encontrar procedimentos caseiros para quando o celular fica molhado. Secador, aspirador de pó, arroz… as dicas são muitas, mas o melhor mesmo é sempre seguir as orientações da fabricante do aparelho.

Se feitos por conta e risco, esses procedimentos precisam ser feitos com bastante cuidado, caso contrário, eles poderão danificar ainda mais o aparelho. Um bom exemplo disso é que se o secador for usado muito quente, ele pode provocar um “derretimento” de alguma solda, deslocando componentes internos do celular.

Além disso, o aspirador de pó também pode ser prejudicial, pois pode facilmente danificar botões e conectores caso sugue esses componentes com muita força.

Nesse aspecto, há ainda quem prefira deixar o celular secar ao sol. Existem poucos indícios de que esse procedimento é realmente eficaz para secar o aparelho e os seus componentes. Inclusive, isso pode até piorar a situação, já que o calor do sol pode danificar partes do celular de maneira irreversível.

Kits para recuperação de eletrônicos

Além de todas essas alternativas, uma que pode ser bem eficaz é apelar para kits de recuperação de eletrônicos, como é o caso do AF Tech-Rescue, que chegou ao Brasil há alguns anos atrás. Esse kit é composto por uma embalagem plástica selada e um agente que pode remover a umidade do aparelho.

Para que tudo corra bem, recomenda-se que o celular fique na embalagem por um período mínimo de 48 horas. Tratam-se de equipamentos relativamente baratos, e que podem salvar o seu aparelho em casos como esse.

Aparelhos à prova d’água

Bem, nem mesmo esse tipo de aparelho está totalmente imune de ser danificado caso entre em contato com água. Em casos onde o aparelho é superexposto a esse líquido, como, por exemplo, em mergulhos em praias ou piscinas, é relativamente comum que, em algum momento, o celular acabe danificando.

Ou seja, submergir com um aparelho celular, por mais avançado que ele seja no que se refere à proteção contra a água, é exigir demais dele.

Um exemplo disso são os incidentes ocorridos com os iPhones das gerações mais recentes, que possuem IP67 e IP68, que na prática, protegem o aparelho apenas de respingos de líquidos, mas as próprias fabricantes não recomendam a imersão total dos aparelhos.

Redação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *