×
PUBLICIDADE

Como investir em renda fixa em 2021

Redação

3 de janeiro de 2021 - updated: 03 jan 2021 às 17:31

Engana-se quem pensa que investir em renda fixa é útil apenas para a reserva de emergência. O conceito é bem mais amplo do que isso e existem, sim, formas de lucrar com de investir e lucrar com renda fixa, mesmo com a Selic em 2% ao ano. “É possível, por exemplo, percorrer toda uma trajetória dentro da renda fixa antes de apostar no mercado de ações”, diz Odilon Costa, analista de renda fixa e crédito privado do BTG Pactual digital.

Em sua essência, a renda fixa nada mais é do que um empréstimo feito por um investidor para financiar governos, bancos e empresas. Em troca, ele recebe uma remuneração (os juros), que é definida no momento do investimento, de acordo com a capacidade do devedor em honrar suas obrigações financeiras e pela liquidez (a facilidade em negociar o ativo e em resgatá-lo).

Pensando em quem está atrás de dicas para ganhar mais dinheiro em 2021, o relatório 10 investimentos para fazer agora, do BTG Pactual digital, aponta alguns caminhos possíveis. Veja a seguir.

Aplique a reserva de emergência no lugar certo

O montante de dinheiro que vai garantir segurança diante de imprevistos, como a perda de um emprego ou algum problema de saúde, precisa estar bem guardado. Se você usou o dinheiro neste ano, a dica é começar a juntar novamente assim que possível. A quantia deve cobrir no mínimo seis meses de todas as suas despesas. Se for autônomo, vale ter uma reserva de até 12 vezes o valor de seus custos fixos.

Para escolher o melhor investimento, o principal requisito é a liquidez. Afinal, o dinheiro precisa estar disponível rapidamente em caso de emergência. A volatilidade é outro ponto importante. A aplicação deve ser previsível, sem oscilações para evitar surpresas negativas.

Além do Tesouro Selic (um dos títulos do Tesouro Direto), que sempre será uma boa opção, há alternativas. O relatório do BTG destaca dois Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) com liquidez diária. Com prazos de 12 ou 24 meses e uma aplicação inicial mínima de 100 reais, eles oferecem taxas de remuneração equivalentes a 103% e 104% do CDI. Ou seja, superam a rentabilidade da poupança e contam com respaldo do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante o saldo das aplicações em até 250.000 reais por CPF.

Diversifique seus investimentos dentro da renda fixa

“Qualquer pessoa só começará sua carteira de investimentos quando de fato preencher sua reserva de emergência”, afirma Costa. Mas a dica para 2021 é não esquecer de diversificar sua carteira sem abrir mão da renda fixa .“Muita gente imagina que existem dois polos nos investimentos: a reserva de emergência e a renda variável. Mas de um lado ao outro existe uma gama de ativos que permite equilibrar melhor a relação entre risco e retorno”, explica.

O relatório do BTG aponta que a baixa da Selic ao longo de 2020 e a retomada gradual da inflação fizeram cair a rentabilidade de títulos públicos mais curtos em um horizonte de dois anos. Mas o contexto fiscal turbulento aumentou as taxas para papéis de prazos intermediários e longos — vale apostar nestes.

Aposte em títulos atrelados ao IPCA

O cenário macroeconômico criou um momento oportuno para aplicações em títulos atrelados ao IPCA, o indicador oficial da inflação, com prazo longo, superior a cinco anos. O título público Tesouro IPCA+, por exemplo, oferece proteção contra o aumento dos preços: paga a variação da inflação medida pelo IPCA mais uma taxa prefixada.

Diferentemente da reserva de emergência, caso esses papéis sejam vendidos antes do vencimento, podem trazer ganhos ou perdas de capital. Por isso, é importante diversificar os prazos. Quanto menor ele for em um título de renda fixa, menor será a variação de preço.

Redação

O Correio do Interior é produzido por jornalistas que apuram e checam informações dos fatos diariamente noticiados no jornal

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

"