Campinas é uma das 100 melhores cidades do Brasil para investimentos, aponta pesquisa
PUBLICIDADE

Campinas é uma das 100 melhores cidades do Brasil para investimentos, aponta pesquisa

Redação

3 de fevereiro de 2020
Atualização:03 fev 2020 às 9:38

Campinas ocupa o nono lugar no ranking das 100 melhores cidades brasileiras  para investir, de acordo com o estudo da Urban Systems  realizado em outubro de 2019.  O resultado demonstra que Campinas melhorou quatro posições em relação ao ano de 2018, quando foi eleita a 13ª melhor.
O Município destacou-se principalmente na Infraestrutura, onde obteve a segunda melhor avaliação do País, perdendo apenas para São Paulo neste quesito. Outro fator que pesou positivamente na obtenção da nona posição no País foi o desempenho da cidade em relação ao Capital Humano — relativo à qualificação profissional e formação de mão de obra — que colocou a cidade na 24ª posição do ranking nacional.
A pesquisa de Infraestrutura considerou o fato de Campinas contar com uma malha rodoviária eficiente – cortada pelas melhores rodovias do País – e com uma conectividade de 295 destinos. Os índices de satisfação dos usuários do Aeroporto Internacional de Viracopos e seu bom desempenho em voos nacionais e internacionais foram outros fatores considerados. Os especialistas avaliaram, ainda, que Campinas conta com uma malha ferroviária a ser modernizada e ampliada com facilidade em projetos de logística.
Pesou também no estudo o índice de 20,9% de perdas na distribuição de água de Campinas; o índice de 45,7% de conexões de banda larga fixa acima de 43 Mbps e a oferta de energia elétrica em 100% dos domicílios.

Perfil de excelência

Os pontos positivos para Campinas, relativos a qualificação profissional e formação de mão de obra, devem-se ao grau de excelência do polo de tecnologia e dos centros universitários — Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCamp); Faculdades de Campinas (Facamp); Universidade Paulista (Unip); São Leopolodo Mandic; e Centro Universitário UniMetrocamp Wyden, entre outros. Além destes setores mercadológicos de investimento, o estudo qualificou Campinas como a 79ª cidade em Desenvolvimento Social e a 90ª em Desenvolvimento Econômico.
Seis da RMC estão no ranking das 100 mais
Além de Campinas, mais cinco cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC) foram ranqueadas entre as 100 melhores do País para investimentos: Paulínia (10ª); Indaiatuba (29ª); Valinhos (47ª); Itatiba (49ª); e Hortolândia (59ª).
Logo depois de Campinas, com a décima colocação, Paulínia foi avaliada a 4ª cidade do País em Desenvolvimento Econômico; a 5ª em Desenvolvimento Social; 21ª em Infraestrutura; e a 33ª em Capital Humano.
Indaiatuba, que ficou com a 29ª posição no ranking nacional, destacou-se principalmente na área de Desenvolvimento Econômico, onde obteve a 3ª colocação do País. Valinhos foi classificada na 47ª posição e o maior destaque foi na área de Desenvolvimento Social, pois foi considerada a melhor cidade do País neste quesito. Valinhos foi também a 15ª cidade do País em Infraestrutura.
Pontos positivos de Campinas
Malha rodoviária com ótima conectividade, Bons índices de satisfação com Viracopos ,Oferta de 100% de energia elétrica, Apenas 20% de perdas na distribuição de água, Alto índice de conexões de banda larga, Excelência dos polos de tecnologia e educação, Alta qualificação profissional
Metodologia de pesquisa 
O ranking das melhores cidades para fazer negócios é um estudo produzido anualmente pela Urban Systems para a revista Exame e é focado em regiões do País com maior oportunidade de crescimento.
Apresenta o resultado das melhores cidades onde se investir, considerando fatores sociodemográficos, econômicos, financeiros, de transporte, infraestrutura e serviços. A pesquisa traz ainda um recorte dos municípios em quatro principais eixos, importantes para o desenvolvimento de negócios, com a junção de indicadores do estudo principal, acrescido de novos indicadores.
Os eixos são: desenvolvimento econômico (maturidade e crescimento da cidade), capital humano (relativo a qualificação profissional e formação de mão de obra), desenvolvimento social (reflexo social do desenvolvimento da cidade) e infraestrutura (básica para o desenvolvimento de negócios).
O cálculo é realizado por meio de uma metodologia de análise estatística chamada: IQM — Índice de Qualidade Mercadológica. O objetivo do IQM é servir como parâmetro para a qualificação de um determinado mercado, sintetizando variedade de informações populacionais, comerciais, urbanísticas, econômicas e infraestruturais.
O Correio do Interior é produzido por jornalistas que apuram e chegacam informações dos fatos diariamente notíciados no jornal.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *