Vicente Bernardes: A guerra fria civil brasileira

No dia 7 de outubro de 2018, teremos o encerramento de uma guerra civil. Uma guerra que até poderíamos chamar de “Guerra Civil Fria,” se não fosse o uso de uma arma branca em uma de suas batalhas recentemente. Sim. Estamos falando sobre a campanha política brasileira de 2018.

Mas por que guerra? Essa campanha expôs os extremos que cada candidato representa. Alguns caindo pro lado esquerdo, outros caindo pra lado direito, mas nesse vai pra lá e vai pra cá, tem a população, que vestiram suas armaduras eleitorais e resolveram guerrear uns contra os outros. De um lado o Exército Direito, formado por soldados que defendem uma reforma geral na estrutura e diminuição da influência do Estado na vida das pessoas, do outro lado o Exército Esquerdo, que defende a interferência do Estado e a continuação de políticas socialistas na vida das pessoas. Formaram-se então batalhões e trincheiras para cada lado, mas no meio de tudo isso, ficou ele, sim, o nosso Brasil real, aquele que sofre com as decisões tomadas pelos combatentes eleitorais.

A cada golpe de postagem de Facebook ou a cada tiro Twitado, vemos enfraquecer a economia, aumentar o desemprego, calar a democracia e o pior de tudo, aumentarem o desrespeito entre a população, os amigos, as famílias e a boa convivência entre todos.

Não seria esse, um momento importante, para que pudessem juntos lutar contra outro inimigo, que ataca e mata tanto soldados do lado Direito, quanto soldados do lado Esquerdo? Quem seria então esse inimigo, camuflado, que destrói todos, sem se importar, qual lado ou ideologia defendem?

O nome dele é ERC, Exército Revolucionário da Corrupção. Esse sim é o responsável direto por todos os problemas existentes, que levaram a essa guerra entre dois lados, mas que, camuflado, acaba passando despercebido pelos soldados e levando apenas tiros de raspão. O que leva alguns eleitores, levarem convicções políticas mais a sério do que o combate a corrupção?

Eis algo a ser pensado e ser combatido.  Lembrando que, se no dia 7 de outubro, não encontrarmos uma solução pacífica, essa guerra ainda se estenderá até o dia 28 de outubro, pois teremos um segundo turno nas votações.

Boa sorte a todos e que Deus, Maomé, Jeová, GADU, Buda, Oxalá e Jah nos protejam.

Vicente Bernardes

Marketeiro, “MICO”-empresário, pai solteiro, praieiro quando sobra dinheiro e pesquisador de assuntos que ninguém entende.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *